Mãos dadas - Carlos D. Andrade

3.3.15



Não serei o poeta de um mundo caduco. 
Também não cantarei o mundo futuro. 
Estou preso à vida e olho meus companheiros 
Estão taciturnos mas nutrem grandes esperanças. 
Entre eles, considere a enorme realidade. 
O presente é tão grande, não nos afastemos. 
Não nos afastemos muito, vamos de mãos dadas. 
Não serei o cantor de uma mulher, de uma história. 
Não direi suspiros ao anoitecer, a paisagem vista na janela. 
Não distribuirei entorpecentes ou cartas de suicida. 
Não fugirei para ilhas nem serei raptado por serafins. 
O tempo é a minha matéria, o tempo presente, os homens presentes, 
a vida presente.

You Might Also Like

5 comentários

  1. amo os poemas de Carlos Drummond.
    Beijos
    http://pantufa-rosa.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Carlos Drummond é meu poeta predileto.As poesias dele são incríveis!

    ResponderExcluir
  3. Oi Lô, tudo bem?

    Nossa Carlos Drummond é perfeito neah?
    Uma poesia mais linda que a outra.
    Excelente escolha :)

    Beijos :*
    http://www.descomplicandocosmeticos.com/

    ResponderExcluir
  4. Lindo poema *_*

    Ah, já estou seguindo!

    Beijos, Jac
    http://behind-thewords.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oi Meninas , Obrigada pelos comentários , rsrsr
    Amo Poemas do C.D.A
    Beeijos *---*

    ResponderExcluir

SUBSCRIBE

Like us on Facebook